Fecomércio firma parceria inédita com países africanos

 

Os embaixadores das repúblicas de Cabo Verde e Moçambique acompanharam atentamente as apresentações sobre os potenciais econômicos do Ceará e suas relações com os mercados das nações africanas. Ganhou destaque o agronegócio do Estado. O encontro inédito aconteceu no Laboratório Google for Education, do Senac Reference, na Aldeota.

A iniciativa de reunir o corpo diplomático com importantes players do varejo, logística, Embrapa e Governo do Estado, foi do presidente em exercício da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), Cid Alves, representado no evento pelo diretor e 1º secretário da Federação, Everton Fernandes. A vinda dos representantes africanos é considerada o primeiro passo para formalizar parceria e intercâmbio com o Ceará.

“É de fundamental importância que a Fecomércio seja esse agente que conecta o comércio do Estado do Ceará com países parceiros, numa Câmara de Comércio Exterior com Cabo Verde, Moçambique e outras nações que vão entrar nesta parceria buscando fomentar ainda mais o comércio. É através deste intercâmbio que estreitamos também a amizade entre os povos. A satisfação é enorme para diretoria da Fecomércio estar conduzindo estes objetivos”, explica o diretor.

Fernandes também apresenta os benefícios para o varejista local: “O varejo cearense se beneficia quando começa a comprar mais barato, sem intermediações, das nações que fornecem os produtos e também através de suas vendas para estes mesmos países, como numa via de mão dupla, numa relação ganha-ganha. A ideia é que este intercâmbio comercial possa ajudar no desenvolvimento desses mercados”.

 

Palavras dos embaixadores

Após as boas-vindas, cada embaixador apresentou suas expectativas com a instalação da nova câmara comercial. Falaram, na sequência, os representantes das repúblicas de Cabo Verde e Moçambique.

José Pedro Chantre D’Oliveira, Embaixador de Cabo Verde: “A importância é mútua, do nosso lado e do lado dos brasileiros do Ceará. Temos muitas expectativas de uma maior aproximação de trocas comerciais, entre o Brasil, nomeadamente o Ceará e a parte africana, sobretudo a ocidental. Pensamos que nossa proximidade geográfica e cultural-histórica, facilita aproveitarmos melhor essa realidade. Já tivemos uma relação mais forte, principalmente na década de 1990, com linhas marítimas – que desapareceu, ficando apenas a aérea, que a pandemia veio deitar a baixo. Estamos tentando reverter isso, procurando alertar ao Brasil que estamos bem aqui, ao lado, e que podemos ter coisas muito proveitosas para ambos”.

Gamiliel Munguambe, Embaixador de Moçambique: “Estamos aqui para estreitar os laços de cooperação e negócios entre Moçambique e Brasil, em particular com o Ceará, com características muito próximas conosco. Estamos interessados em todo processo da cadeia de produção do caju, porque Moçambique é um dos grandes produtores deste fruto, uma das fontes de receita em nossas exportações. Pelo avanço do Brasil neste campo, queremos saber como estreitar parcerias, indo além, com o Ceará, vendo formas de incrementarmos as relações comerciais nos dois sentidos, Brasil para Moçambique e Moçambique para o Brasil”.

 

As potencialidades comerciais

O agronegócio fez parte das principais negociações comerciais na reunião. Um dos destaques foi a cajucultura. Atualmente, a indústria de beneficiamento da castanha de caju, no Ceará, trabalha com 70% de sua capacidade. Parte da produção é importada da Costa do Marfim, país localizado no noroeste do continente africano.

“Este encontro é de extrema importância, porque podemos oferecer nossa competência em processamento e podemos suprir a falta de matéria-prima – castanhas – em nosso Estado, que a cada ano vem diminuindo, saindo de 330 mil toneladas para 140 mil/ano, quantidade insuficiente para abastecer as indústrias”, revela Xisto Salema, representante do Sindicaju, sindicato das empresas ligadas ao setor.

Para Sérgio Baima, coordenador de atração do agronegócio, ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Governo, o Ceará deve ganhar com ao fechar negócios com os novos parceiros: “Estamos acostumados a exportar para os mesmos lugares de sempre, os Estados Unidos e a Europa e nós precisamos de outros mercados que são tão importantes quanto esses grandes e temos isso na África, tanto para exportação, no agro, quanto também para importação”, prevê.

 

Encontro histórico

A primeira câmara de comércio exterior, sediada na Fecomércio, é entre o Brasil e a Argentina. A partir das conversas com os embaixadores de Cabo Verde e Moçambique, abrem-se negociações com outros países africanos.

“Vamos rumo à constituição da Câmara Brasil-Cabo Verde e Países Africanos, com o Ceará. O estabelecimento dessas relações traz bons resultados para o Ceará e para os cearenses também em áreas como cultura, turismo e pesquisas”, prevê o assessor de relações institucionais e secretário executivo das Câmaras e Conselhos Empresariais da Fecomércio (CACE), Marcos Pompeu.

Embaixadores de Guiné-Bissau e Burkina Faso, também faziam parte da comitiva, mas, por motivos de agenda, não puderam comparecer.

Após as tratativas comerciais, um almoço foi oferecido aos convidados, no Restaurante Mayú.

ultimas

Assine nossa newsletter e receba todas as novidades !